RELIGIÃO

Se Deus é mesmo brasileiro, como afirmam muitos brasileiros, em nenhuma outra cidade do País ele se mostra mais ecumênico do que em São Paulo: tem catedral católica, igreja construída pessoalmente pelo único santo nascido no Brasil, as primeiras mesquita e sinagoga do Brasile uma centena de outros templos de religiões tão diversas quanto mórmons e hare krishna. Abaixo você pode conhecer alguns endereços para exercitar sua fé ou apenas conhecer. Tem até bar com temática toda religiosa.

Pateo do Collegio e Museu Anchieta
pateo.jpg

O Pateo do Collegio marca o início de São Paulo, a partir da construção de uma pequena cabana de pau a pique onde se reuniam 13 jesuítas, entre eles José de Anchieta e o padre Manoel da Nóbrega, preocupados em catequizar os nativos. A cerimônia oficial da fundação da cidade ocorreu no dia 25 de janeiro de 1554. Localizado no Centro, o complexo abriga diversas atividades culturais. O Museu Anchieta, por exemplo, composto por sete salas, expõe coleções de arte sacra (como mesas de altar, oratórios, crucifixos, relicários, ostensórios e pias de água benta), uma pinacoteca, objetos indígenas, uma maquete de São Paulo no século XVI, a pia batismal e antigos pertences de Anchieta – são mais de 700 objetos no total, espalhados pelo museu e também pela cripta. O público pode visitar, ainda, a Biblioteca Padre Antonio Vieira e participar da missa rezada por jesuítas e de diversos outros eventos, como congressos, cursos, oficinas de artesanato e pintura e apresentação de música clássica no projeto “Vem pro Pateo no Domingo”, que acontece todo terceiro domingo do mês.

Catedral da Sé
sé -2.jpg

A Catedral da Sé, mais conhecida igreja católica da capital, é um dos cinco maiores templos neogóticos do mundo e destino certo de muitos turistas que ficam perplexos com sua beleza e tamanho. Instalado na Praça da Sé, no Centro, o edifício conta com 111 metros de comprimento, 46 metros de largura e 65 metros de altura. Sua construção original teve início em 1598, sendo concluída somente em 1612. No entanto, o edifício que conhecemos hoje foi erguido séculos depois. Projetada por Maximilian Hehl, professor da Escola Politécnica, a atual edificação teve suas obras iniciadas em 1913, trabalho que só foi encerrado em 1954, no aniversário do 4º centenário de São Paulo. A catedral passou por uma grande reforma, sendo reaberta em 2002. No seu interior, o visitante encontra, por exemplo, missas diárias e uma cripta, aberta à visitação, inaugurada em 1919. Com trinta câmaras mortuárias, mantém, até os dias atuais, os sarcófagos dos bispos e arcebispos, além de guardar os restos mortais do cacique Tibiriçá, o primeiro cidadão de Piratininga, e do padre Feijó, Regente do Império.

Museu de Arte Sacra e Mosteiro da Luz
sacra.png

Criado em 1579 (e finalizado em 1788, depois de reformas e ampliações), o Mosteiro da Luz é considerado por especialistas a mais importante construção arquitetônica colonial do século XVIII em São Paulo. Nele residem as Irmãs Concepcionistas, que atualmente são as responsáveis pela produção das famosas pílulas “milagrosas” de Frei Galvão (falecido em 1822). O “santo remédio” é distribuído das 9h às 11h30 e das 14h30 às 16h45 na igreja. Missas são celebradas todos os dias. Neste mesmo local fica o Museu de Arte Sacra, com um dos mais representativos acervos do patrimônio sacro brasileiro. Quem entra no prédio, localizado no centro, logo é tomado pela atmosfera espiritual do lugar. As relíquias da arte barroca, que datam do século XVI até os dias atuais, são pratarias e ourivesaria religiosas, pintura, mobiliário, retábulos, altares, vestimentas sacras e livros litúrgicos raros. A coleção de lampadários só é menor que a dos museus do Vaticano. Outras atrações que integram este complexo são o Museu dos Presépios, que abriga 190 conjuntos presepistas originários de diversos países e regiões do Brasil, e a loja de artigos religiosos e gastronomia (pães e doces confeccionados pelas irmãs).

Festa de Nossa Senhora Achiropita
achiropita2.jpg

O bairro do Bixiga é um dos mais históricos e religiosos da capital. É nele que acontece uma das maiores e mais tradicionais festas da capital: a Festa de Nossa Senhora Achiropita, comemorada desde 1926 durante os fins de semana do mês de agosto, em homenagem à padroeira do bairro. Para essa festividade, são espalhadas dezenas de barracas pelas ruas, oferecendo aos visitantes pratos típicos italianos - e toda a renda obtida é revertida para obras sociais da Paróquia Nossa Senhora Achiropita.  Cerca de 200 mil pessoas visitam a feira todos os anos. Na edição de 2016, foram montadas cerca de 30 barracas na Rua 13 de Maio e suas imediações, vendendo delícias como polenta frita, fogazza e fatias de pizza. Há também atrações musicais.

Sinagoga Kehilat Israel
DSC_7768.jpg

Inaugurada há mais de um século, em 1912, a Sinagoga Kehilat Israel é a mais antiga do Estado de São Paulo. Sua primeira construção era um imóvel bem modesto. Porém, algumas décadas mais tarde, a sinagoga ficou pequena demais e um novo prédio foi construído em 1954, na Rua da Graça. Com um estilo bem arrojado, a sinagoga até hoje chama a atenção de todos que passam em frente. Na sua fachada há um enorme painel repleto de símbolos religiosos e traços da geografia de Israel e região. Em fevereiro de 2016 foi inaugurado no local o Memorial da Imigração Judaica. Entre as peças do acervo, vestimentas, documentos e livros vindos de diversos países. Além de funcionar como memorial, o templo continua realizando cultos e casamentos.

Mosteiro de São Bento
mosteiro_de_sao_bento (Alexandre Diniz  - SPTuris).jpg

O Mosteiro de São Bento é um símbolo importante para a cidade de São Paulo. Com mais de 400 anos de história, o local sempre teve grande influência na cidade. A fundação do Mosteiro de São Bento data do fim do século XVI - 14 de julho de 1598. Em 1910 teve início a construção atual. Quatro anos mais tarde, em 1914, estava completo o conjunto beneditino que conhecemos hoje: a Basílica de Nossa Senhora da Assunção, o Mosteiro e o Colégio de São Bento, marco histórico, cultural e turístico. Entre as atrações, destaque para o seu famoso brunch. O “Domingo no Mosteiro” é bem movimentado por conta da Tradicional Missa dos Monges, às 10h00, todos os domingos. Sempre lotada, a Santa Missa comemora a sagrada refeição Eucarística, ao som do Canto Gregoriano, acompanhado pelo órgão de tubos. Depois da refeição espiritual, no último domingo de cada mês, o Mosteiro abre as portas de seu refeitório, com as iguarias de sua padaria e a gastronomia de grandes chefs de São Paulo. O evento é acompanhado de boa música, exposições de arte e uma visita guiada pelo Mosteiro. Outra atração é a sua concorrida padaria, que comercializa delícias como bolos, pães, geleias e biscoitos - cujas receitas seculares secretas, diz a tradição, são transmitidas de monge para monge.

Capela de São Miguel Arcanjo
Capela_de_Sao_Miguel_Arcanjo_Lucilene_Oliveira.jpg

Templo religioso mais antigo entre os existentes na cidade de São Paulo, à primeira vista esta singela igreja, localizada no bairro de São Miguel Paulista, não revela a dimensão de sua relevância histórica, artística e cultural, tanto para a comunidade local, quanto para a cidade e para o povo brasileiro. Fundada em 1560 pelo Padre José de Anchieta, com o intuito de evangelizar os índios guaianazes recém estabelecidos na região, a Capela de São Miguel Arcanjo – ou Capela dos Índios , como é chamada pelos moradores do entorno – é um marco da colonização local, da chegada dos jesuítas e da presença da Igreja Católica no Brasil.

Capela do Morumbi
capela-morumbi_sylvia-masini_spturis.jpg

A Capela do Morumbi situa-se em um terreno da antiga Fazenda do Morumbi, e funciona de terça a domingo, das 9h às 17h. As visitas, com entrada gratuita, são orientadas e em grupos que devem ser previamente agendados. O local faz parte do Museu da Cidade de São Paulo, que é um museu diferente dos convencionais. O acervo é composto por conjuntos arquitetônicos construídos a partir do século XVII até o século XX e estão espalhados por diversos pontos da cidade. O intuito é preservar a memória das técnicas construtivas dos séculos passados. Até hoje não se sabe ao certo a origem da capela, por falta de documentos detalhados que comprovem a verdadeira história. Existem três hipóteses sobre o local: a primeira é que era consagrada a São Sebastião dos Escravos; a segunda que era um local, provavelmente uma capela, onde ficavam as sepulturas dos proprietários da fazenda; e a terceira, que seriam somente ruínas de um paiol. Em meados do século XX, o arquiteto Gregori Warchavchik, considerado um dos pioneiros da arquitetura moderna no Brasil, foi contratado para construir a Capela do Morumbi. Feita com alvenaria e tijolos a partir das ruínas de taipa de pilão do século XIX, a obra mistura o arcaico e o moderno. Nas paredes do batistério, em afresco, existe uma representação da cena do batismo de Cristo e anjos com fisionomias de índio. O local recebe eventos culturais, como exposições fotográficas, concertos musicais e exposições de artes plásticas, e também exposições que relacionam a arte contemporânea e o patrimônio histórico.

Catedral Metropolitana Ortodoxa de São Paulo
interior-da-catedral-ortodoxa-kiko-ferrite.jpg

A Catedral Metropolitana Ortodoxa, sé da Igreja Ortodoxa Grega de Antioquia no Brasil, é um exemplo de construção arquitetônica bizantina que pode ser apreciado na América do Sul. Seu projeto, cuja edificação teve início da década de 1940, foi inspirado na Basílica de Santa Sofia, construída na então capital do Império Bizantino, Constantinopla (atual Istambul). É uma das maiores catedrais ortodoxas do mundo. Foi inaugurada em 1954, próximo do início da Avenida Paulista.

Paróquia São Francisco de Assis
sao_francisco__208.JPG

A Paróquia São Francisco de Assis está instalada num prédio do estilo barroco, inaugurado em 1647 e possuí o mais estimado acervo de imagens da ordem franciscana no Brasil. Tem missas todos os dias, e fica no Largo São Francisco, no centro.

Igreja Santa Ifigênia
santa-ifigenia-igreja-02.jpg.694x390_default.jpg

Construída no século XX para substituir a Capela de Nossa Senhora da Conceição, originária de 1720, a Igreja de Santa Ifigênia tem uma localização emblemática: no final do tradicional Viaduto Santa Ifigênia, no centro. Exemplo da arquitetura revivalista, de caráter neorromânico, o atual templo, que começou a ser utilizado antes do fim das obras, em 1910, se destaca por sua elevada torre central e pelos detalhados vitrais, que foram trazidos de Veneza, na Itália.

Igreja de Santo Antonio
Igreja_de_Santo_Antônio,_SP_(interior_2).JPG

Outra bela igreja que fica no centro da cidade é a Igreja de Santo Antonio, na Praça do Patriarca. Ela reúne inestimáveis peças artísticas do período colonial. Além de seu famoso altar, objeto de talha barroca de 1780, o santuário conta com as pinturas murais mais antigas e bem-preservadas da cidade, feitas nos começo do século XVII. O prédio passou por inúmeras restaurações e a atual fachada, concebida em estilo eclético, data de 1919.

Solo Sagrado de Guarapiranga
Vista-Aérea-Solo-Sagrado-de-Guarapiranga-São-Paulo-630x300.jpg

Seguindo o exemplo da natureza, onde tudo se desenvolve a partir de uma pequena forma ou de um pequeno modelo, Mokiti Okada (1882-1955), também conhecido como Meishu-Sama, iniciou em 1945, no Japão, a construção de protótipos do Paraíso Terrestre, os quais ele chamou de Solos Sagrados. Estes locais caracterizam-se pela harmonia entre a beleza natural e a criada pelo homem. O objetivo dele era deixar para a humanidade a base para a construção de um Mundo Ideal, consubstanciado na Verdade, no Bem e no Belo. Ele os estabeleceu nas cidades de Hakone, Atami e Kyoto, objetivando que, a partir deles, outros modelos pudessem ser construídos ao redor do mundo. No Brasil, o protótipo do paraíso foi construído à margem da represa de Guarapiranga, numa área de 327.500 m² e é conhecido como Solo Sagrado de Guarapiranga. Hoje, é considerado um dos maiores espaços para a contemplação da natureza e meditação existentes no País. Já na entrada, sente-se uma maravilhosa energia: de um lado, a imensidão da represa de Guarapiranga; do outro, o verde em seus inúmeros tons. Depois, alamedas floridas e pedras de diferentes tipos colocadas em diferentes posições. Tudo feito para que as pessoas possam sentir que realmente o paraíso pode ser construído.

Templo de Salomão
0ofm83ax4fmwbsbi4r22ljt3e.jpg

O Templo de Salomão é a sede mundial da Igreja Universal do Reino de Deus, no bairro do Brás. É o maior espaço religioso do País. A edificação da réplica foi inspirada em características da construção do Templo de Salomão, conhecido também como o primeiro templo citado pela Bíblia – localizado em Jerusalem, em Israel. Sua capacidade é de receber, ao mesmo tempo, mais de 10 mil pessoas na nave principal ou santuário. A área total de 70 mil metros quadrados equivale a 16 campos de futebol. O altar e a fachada do templo foram feitos com pedras nativas de Israel. A construção consumiu mais de 28 mil metros cúbicos de concreto e 2 mil toneladas de aço, o bastante para construir duas vezes o Palácio do Planalto, que é a sede do gabinete presidencial, em Brasília. As medidas e arquitetura do templo são com base nas orientações bíblicas. O Templo de Salomão conta com 126 metros de comprimento, 104 metros de largura, 55 metros de altura com dois subsolos, que corresponde a de um prédio de 18 andares, quase duas vezes a altura da estátua do Cristo Redentor. E o templo tem 36 salas de Escola Bíblica Infantil (EBI) com capacidade para receber aproximadamente 1.300 crianças, estúdios de televisão e rádio, auditório para 500 pessoas e estacionamento para 2 mil carros - além de 59 apartamentos do tipo quitinetes, 12 apartamentos com uma suíte e 13 de duas suítes para abrigar pastores e bispos da instituição.

Bar O Templo
templobardefe_20082014142049.jpg

Instalado em um charmoso e antigo galpão do século passado, no bairro da Mooca, na Zona Leste, o bar O Templo é um espaço muito inusitado e curioso que leva o tema religião muito a sério. No local existem mais de 800 imagens de santos cristãos, umbandistas, hinduístas e budistas. Há imagens com mais de 2 metros de altura! Entre os enfeites, destaque também para os anjos barrocos. A programação musical é bem eclética e inclui samba (aos sábados à tarde), sertanejo e eletrônico, entre outros gêneros. Para descansar entre uma música e outra, outro toque religioso simpático: há bancos típicos de igrejas à disposição. O cardápio também remete ao tema “religião”, com pratos como “Despacho” (frango assado com farofa e ervas) e “Iemanjá” (espeto de camarões grandes assados).