POR REGIÕES

São Paulo tem como uma de suas principais particularidades a sua enorme diversidade de públicos e atrações. Cada um consegue encontrar a sua própria São Paulo, com a sua cara. Em bairros como Liberdade (Japão) e Bixiga (Itália) é possível provar um pouco do sotaque, da gastronomia e do estilo de vida de outras partes do mundo. Centro e Ipiranga são verdadeiros museus a céu aberto. Na Avenida Paulista e Jardins, grifes elegantes convivem lado a lado com opções gastronômicas variadas e atrações culturais de todo o tipo. Cultura e gastronomia também também tornaram a Vila Madalena o bairro mais descolado da capital. Econtre você também a sua São Paulo...

Avenida Paulista/Jardins
paulista-aberta-blog-capa.jpg

A avenida mais badalada da cidade concentra tudo o que há de melhor em São Paulo. Nela é possível visitar museus e centros culturais, encontrar um parque em meio a grandes arranha-céus, conferir lançamentos em livrarias, curtir o happy hour em um de seus diversos bares, aproveitar a noite em casas noturnas, assistir a espetáculos teatrais e sessões de cinema dos mais variados estilos de produção, se deliciar em alguns dos melhores restaurantes da capital e fazer compras. Além disso, o Parque Trianon oferece bancos e espaços para caminhada e apresentações culturais. Para quem prefere uma imersão de cultura, vale a pena visitar o Masp. Seu acervo fixo possui diversas obras significativas da arte ocidental dos países latinos, sem contar as exposições itinerantes de diversos artistas do mundo. Para um apreciador de literatura, a dica é visitar a Casa das Rosas, um centro cultural dedicado à poesia, cujo projeto arquitetônico data de 1928. Continuando o roteiro, é possível ainda conferir a ampla programação de exposições do Itaú Cultural. Se a ideia é se divertir ou se emocionar assistindo a um espetáculo teatral, as melhores opções são os teatros Gazeta e Renaissance.

Para compras, as sugestões são os shoppings Cidade de São Paulo, Center 3 e Pátio Paulista, bem como as diversas lojas espalhadas ao longo da avenida. Descendo algumas poucas quadras a partir de Avenida Paulista, é possível alcançar a sofisticada Rua Oscar Freire. Ela é considerada uma das mais luxuosas do mundo e abriga algumas das marcas mais importantes e famosas que existem, como Calvin Klein, Animale e Diesel, entre outras. Suas calçadas são recheadas com mais de 200 vitrines de lojas nacionais e importadas. Caminhar pela Oscar Freire é como participar de um desfile de moda e, mais do que apenas para fazer compras, a rua é um espaço pra ver, ser visto e desfrutar de momentos muito agradáveis, repletos de beleza e arte. Um dos programas mais divertidos e descolados da capital paulista, atualmente, é passear na Avenida Paulista aos domingos, durante o dia. Graças ao Programa Ruas Abertas, da prefeitura, a avenida fica fechada para os veículos, e aberta para pedestres e ciclistas. Com isso, a via virou um ponto de lazer e cultura, com muita música, artesanato, cultura, esporte e gastronomia. Os visitantes encontram muitas bandas tocando música ao vivo de qualidade e de diferentes gêneros - praticamente a cada quarteirão, uma banda diferente. Exposições e apresentações culturais e a comercialização de quadros e outras peças artísticas dão um toque todo especial à avenida. A ciclovia central fica em operação durante todo o período para quem prefere praticar esporte ou simplesmente passear pela região a bordo da sua bike. As atrações da avenida no domingo incluem, também, a Feira de Antiguidades do Masp, referência nacional no setor devido à variedade de artigos como câmeras fotográficas, canetas antigas, porcelanas e cristais, brinquedos antigos, joias, moedas, relógios e imagens sacras. Em frente ao Parque Trianon funciona, ainda, a Feira de Artes e Artesanato, com diversas barracas gastronômicas.

Baixo Augusta
caos-augusta.jpg

De acordo com a rede americana CNN e o National Geographic, a noite paulistana é a quarta melhor entre as capitais do planeta. E parte disso se deve a uma região, próxima à Avenida Paulista, chamada de Baixo Augusta – que engloba parte da Rua Augusta e arredores. Repleta de restaurantes, cinemas, teatros, lojas, bares, baladas e foodtrucks, a vida por lá, principalmente à noite, é bastante agitada. Reduto das mais diversas tribos, o local tem opções para todos os perfis. Se você é hipster ou punk, roqueiro ou pagodeiro, vegetariano, gourmet, aprecia boa cerveja, gosta de andar de skate, comer hambúrguer ou quer sambar, esta região é perfeita!

Liberdade
liberdade.jpg

O bairro da Liberdade, no centro, é o mais famoso reduto de imigrantes na cidade, habitado pelos japoneses desde 1912. Entre as atrações do local, estão restaurantes e docerias típicos, além de lojas e livrarias com artigos do Japão. Além do comércio de rua, a tradicional feira de artesanato, que acontece aos domingos, também trás uma grande quantidade de produtos e comidas típicas. Andar pelo bairro é uma oportunidade de conhecer um pouco da arquitetura e da língua japonesa, marcada em diversos letreiros pela rua e nas conversas de grande parte dos moradores e comerciantes.

Bixiga
achiropita.jpg

Fundado em 1878, o bairro do Bixiga – um dos mais tradicionais de São Paulo – tem uma importância histórica e cultural muito ampla para a capital paulista. Localizado no centro, o distrito foi formado por imigrantes italianos recém-chegados ao Brasil e seus moradores cultivam até hoje suas origens, principal motivo pelo qual ganhou fama. Apresenta uma diversidade inacreditável e isso se deve ao fato de ser um dos bairros mais boêmios e, ao mesmo tempo, mais religiosos da capital. Suas cantinas, feiras e tudo o que envolve seu lado mais tradicional, fazem deste um dos bairros mais icônicos da cidade. Começando por seu lado religioso, o bairro é lar de uma das maiores e mais tradicionais festas da capital: a Festa de Nossa Senhora Achiropita, comemorada desde 1926 durante os fins de semana do mês de agosto, em homenagem à padroeira do bairro. Para essa festividade, são espalhadas dezenas de barracas pelas ruas, oferecendo aos visitantes pratos típicos italianos e toda a renda é revertida para obras sociais da Paróquia Nossa Senhora Achiropita. O aspecto mais cultural do bairro pode ser encontrado no Teatro Oficina, companhia teatral fundada em 1958 e tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico (Condephaat) em 1982; no Teatro Ruth Escobar, fundado em 1963 e um dos mais famosos Centros Culturais da cidade; no Theatro Sérgio Cardoso, antigo Teatro Bela Vista, fundado em 1956 e reinaugurado como Sérgio Cardoso em homenagem a seu fundador, em 1980. O bairro também conta com algumas construções históricas que merecem destaque, como a Escadaria do Bixiga, que dá acesso ao Museu do Óculos e ao Museu Memória do Bixiga, que conta a história dos imigrantes italianos na região, na parte alta do bairro (Rua dos Ingleses) e às famosas cantinas na parte baixa (Rua Treze de Maio); os Arcos da Rua Jandaia, uma obra monumental construída no século XIX e descoberta apenas na década de 80, por acaso, quando algumas construções foram demolidas; o “Caminito brasileiro”, conjunto de casas e estabelecimentos comerciais que tiveram suas fachadas restauradas em 2009, ganhando cores vibrantes e alegres (o nome faz referência ao Caminito, famoso ponto turístico de Buenos Aires) e a Vila Itororó, uma construção de 1929, composta por um palacete e 37 casas. Aos domingos, a Feira de Antiguidades do Bixiga, nas ruas do bairro desde 1982, conta com cerca de 300 barracas que reúnem os mais diversos artigos, desde móveis, livros, LPs e obras de arte à roupas e jóias em um espaço reservado para brechós. O lado boêmio e gastronômico do bairro também está por toda a parte. Algumas das cantinas mais clássicas da cidade encontram-se em suas ruas estreitas, cada uma com suas particularidades. A Cantina Speranza, desde 1958 no bairro, é famosa por trazer a São Paulo as melhores pizzas italianas; a Cantina Capuano é considerada o mais antigo restaurante da capital em atividade (desde 1907); a Cantina C... Que Sabe!, com mais de 70 anos de existência, mistura a modernidade de sua fachada com uma decoração típica do sul da Itália; o Villa Távola funciona 24h e possui dez ambientes principais, incluindo playground. No circuito dos bares, também muita tradição, incluindo a Ludus, primeira luderia do Brasil, com drinks, comidas e mais de 700 jogos nacionais e importados à disposição do cliente; o The Wall Café, especialista em Rock 'N Roll desde 1998, e o Café Piu Piu, há mais de 30 anos no bairro, apresentando uma incrível diversidade musical.

Ipiranga
ipiranga - Caio Pimenta - spturis.jpg

O bairro do Ipiranga faz parte da história de São Paulo. Foi lá, em 1822, que Dom Pedro I proclamou a Independência do Brasil. Um monumento, dentro do Parque Independência, lembra a data e guarda os restos mortais de imperadores. O Parque da Independência, aliás, é um dos tesouros do bairro – e da cidade. Na área de mais de 21 mil m² há registros de vários animais, como borboleta-pavão, saguis, gambás-de-orelha-preta e até bicho-preguiça. Seus jardins, desenhados pelo paisagista belga Arsenius Puttemans, foram inspirados na área verde ao redor do Palácio de Versalhes, em Paris. O parque é também um dos locais predileto dos skatistas da capital. Nas dependências do parque, o Museu Paulista da Universidade de São Paulo, inaugurado em 1895, é o mais antigo da capital. Também conhecido como Museu do Ipiranga, é casa de 125 mil peças entre objetos, iconografia e documentação textual.  Para quem gosta de arquitetura, 12 construções centenárias foram tombadas em 2007, transformando o bairro em um museu a céu aberto. São elas: Instituto Padre Chico, Educandário Sagrada Família, Internato Nossa Senhora Auxiliadora, Antigo Noviciado Nossa Senhora das Graças Irmãs Salesianas, Antigo Grupo Escolar São José, Instituto Cristóvão Colombo, Seminário João XXIII – Congregação dos Missionários de São Carlos, Clínica Infantil do Ipiranga, Seminário Central do Ipiranga, Antigo Juvenato Santíssimo Sacramento, Colégio São Francisco Xavier e Instituto Maria Imaculada. Além de toda esta história e cultura, o bairro também é muito bem servido de bares e restaurantes tradicionais de ótima qualidade.

Centro
imoveis-sao-paulo1.jpg

No centro, é possível entender e observar de perto como São Paulo nasceu - em 1554, no Pateo do Collegio – e se desenvolveu. A lista de opções históricas e culturais da região é imensa: Mosteiro de São Bento (projetado em 1910 e quarta construção da ordem beneditina presente no local desde 1600), Catedral da Sé (um dos maiores templos de inspiração gótica no mundo), Pinacoteca do Estado, Teatro Municipal, Solar da Marquesa, Estação da Luz (um dos cartões-postais da cidade), Mercado Municipal, muitas igrejas antigas bem conservadas e vários museus. A região também conta com bares e restaurantes tradicionais (Terraço Itália, por exemplo) e modernos (como o francês Esther Rooftop, instalado numa cobertura da Praça da República), o charmoso bairro da Liberdade, o imponente Vale do Anhangabaú, o Viaduto Santa Ifigênia, a feira da Praça da República (aos domingos), ruas de comércio popular (como a 25 de Março, o Brás e o Bom Retiro) e ainda ter uma verdadeira aula de arquitetura nas fachadas de seus prédios. O acervo arquitetônico inclui verdadeiros ícones, como: Edifício Martinelli, Edifício Matarazzo (sede da Prefeitura), Shopping Light, Palácio dos Correios, Prédio da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), Edifício Altino Arantes (Banespão) e Edifício Itália. São obras que compõem um patrimônio histórico de valor inestimável para a cidade. Para quem está em busca de boas vistas do centro, um dos destaques é o Edifício Altino Arantes (Banespão), inspirado no nova-iorquino Empire State Building. É o único mirante público e o quinto ponto mais alto da cidade, com 160 metros de altura. No alto do mirante é possível avistar a Serra do Mar, o Pico do Jaraguá e os prédios da Avenida Paulista. Outro local que oferece uma vista nas alturas, sem cobrar nada, é o Edifício Martinelli, considerado o primeiro arranha-céu da América Latina. A partir dele, é possível ver o Vale do Anhangabaú, o Mosteiro de São Bento e a Catedral da Sé.

Vila Madalena
foto-beco-do-batman.png

A Vila Madalena é um dos bairros mais descolados, divertidos e turísticos da capital. Para quem busca cultura, por exemplo, não faltam opções. O distrito concentra uma enorme diversidade de ateliês de arte e artesanato. São dezenas de ateliês e pequenas lojas com produção artesanal e artística de todas as formas de criação e artes manuais. Complementando o trabalho desenvolvido pelos ateliês, as galerias de arte na Vila Madalena dão vida ao bairro e chamam a atenção pela qualidade de suas coleções e dos artistas por elas representados. Também na região fica o famoso Beco do Batman (foto), uma incrível galeria de grafite a céu aberto. Os desenhos são renovados constantemente por grafiteiros e a comunidade ajuda a conservar as paredes que são disputadíssimas pelos artistas. A cada visita, uma nova pintura é encontrada no local, o que faz que o visitante retorne mais de uma vez para apreciar as obras. A região também atrai muitos visitantes em busca da sua enorme diversidade de bares e restaurantes para todos os bolsos e estilos. Cada estabelecimento tem seu jeitinho especial. Têm os botecos clássicos, daqueles com azulejos na parede, chope gelado, futebol e caldinho de feijão, como o Filial e o São Cristovão, e os com algo a mais, como a Mercearia São Pedro e o Salve Jorge - que dá desconto pra qualquer um que se chame Jorge. Não faltam boas opções culinárias em suas ruas. Algumas misturam a comida com loja de decoração, como o Lá da Venda; ou então o Armazém da Cidade, que vende comes, bebes, roupas e muito mais – além de promover encontros musicais pelo bairro, cheio de coisas gostosas e lanches à venda. O Consulado Mineira, sempre lotado, vale a longa espera regada a uma deliciosa caipirinha. No meio da praça, nos sábados à tarde, uma tradicional roda de choro anima os frequentadores. Ou então a charmosa Oficina da Pizza, que com uma extensa carta de vinhos e uma decoração bastante única serve uma das melhores fatias da região. Isso tudo além de diversos outros restaurantes italianos, vegetarianos, franceses e japoneses, entre outros tipos. Sem contar as sorveterias, as docerias e os foodtrucks que frequentam a região.